Laboratório de Psicopatologia Fundamental

São Paulo, 17 de outubro de 2017

Bibliografias > Negritude e sofrimento psíquico

Bibliografia preparada por José Tiago dos Reis Filho. 
 
 
 
Política e psicanálise: o estrangeiro. São Paulo: Escuta, 2000.
 
e FOSCARINI, Sílvia R. G. “Homossexualidade: um saber sobre a sexualidade”. Mimeo.
 
e PLON, Michel. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
 
. (org.). Psicanálise, pesquisa e clínica. Rio de Janeiro: CUCA-IPUB, 2001.
 
. Ninguém atravessa o arco-íris: um estudo sobre negros. São Paulo: Anna Blume, 2000.
 
. O Seminário. Livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
 
. O Seminário. Livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
 
. O Seminário. Livro 4: A relação de objeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
 
. O seminário. Livro 7: A ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,
 
. Pulsões de vida. São Paulo: Escuta, 1999.
 
. et alli. “Trauma, perversão e laço conjugal”. Reverso, n. 51, ago. 2004: 77-84.
 
. et alli. “Violence and racial matters in Brazil: a psychoanalytical approach”. International Forum of Psychoanalysis. n° 11, 2002: 95-99.
 
. et alli. “Violência e questão racial no Brasil: uma leitura psicanalítica”. Reverso, n° 48, set. 2001: 17-23.
 
. “A questão da análise leiga” (1926).
 
. “Alguns tipos de caráter encontrados no trabalho psicanalítico” (1916).
 
. “Além do princípio do prazer” (1920).
 
. “Análise terminável e interminável” (1937).
 
. “As pulsões e seus destinos” (1915).
 
. “Conferência XXXI: A dissecção da personalidade psíquica” (1933).
 
. “Dostoiévski e o parricídio” (1928).
 
. “Estudos sobre a histeria” (1895).
 
. “Moisés e o monoteísmo” (1939).
 
. “O estranho” (1919).
 
. “O eu e o isso” (1923).
 
. “O futuro de uma ilusão” (1927).
 
. “O mal-estar na civilização” (1930).
 
. “O problema econômico do masoquismo” (1924).
 
. “Psicologia das massas e análise do eu” (1919).
 
. “Totem e tabu” (1913).
 
. “Um estudo autobiográfico” (1926).
 
. “Um perfil do universitário negro da PUC Betim”. Psicologia em Revista. v. 10, n. 15, jun. 2004: 139-143.
 
. “Uma criança é espancada: uma contribuição ao estudo da origem das perversões sexuais” (1919).
 
.“O estádio do espelho como formador da função do eu”. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998: 96-103.
 
ALVES, Castro. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.
 
ARAÚJO, Joel Zito. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: Senac, 2000.
 
AVELINO, Wanda. “Grupo de mulheres negras: uma experiência...”. Cadernos do Fórum de Psicanálise do Círculo Psicanalítico de Minas Gerais. n. 14, nov. 1993: 115-123.
 
BENTO, Maria Aparecida Silva. Resgatando a minha bisavó: discriminação racial no trabalho e resistência na voz dos trabalhadores negros. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1992. Dissertação de mestrado.
 
BERLINCK, Manoel Tosta. Psicopatologia Fundamental. São Paulo: Escuta, 2000.
 
CIRINO, Oscar. Psicanálise e Psiquiatria com Crianças: desenvolvimento ou estrutura. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
 
DUNKER, Christian I. L. O cálculo neurótico do gozo. São Paulo: Escuta, 2002.
 
D’AGORD, Marta. “Uma construção de caso na aprendizagem”. Pulsional, n° 140-141, nov. 2000: 12-21.
 
ENRIQUEZ, Micheline. Nas encruzilhadas do ódio: paranóia, masoquismo, apatia. São Paulo: Escuta, 1999.
 
ESSED, Philomena. “Por trás da fachada holandesa: multiculturalismo e a negação do racismo nos Países Baixos”. Estudos Afro-asiáticos. Rio de Janeiro, v. 28, out. 1995: 171-183.
 
FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difel, 1972.
 
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.
 
FIGUEIREDO, Ana Cristina. Vastas Confusões e Atendimentos Imperfeitos: a clínica psicanalítica no ambulatório público. Rio de janeiro: Relume-Dumará, 1997.
 
FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas completas de. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
 
FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. 23.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984.
 
FURTADO, Júnia Ferreira. Chica da Silva e o contratador dos diamantes: o outro lado do mito. Sã o Paulo: Companhia das Letras, 2003.
FÉDIDA, Pierre. Clínica psicanalítica: estudos. São Paulo: Escuta, 1988.
 
GILMAN, Sander. Freud, raça e sexos. Rio de Janeiro; Imago, 1994.
 
GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. São Paulo: USP, 2002. (Tese de Doutorado). 453 pp.
 
GRUPO INTERMINISTERIAL PARA A VALORIZAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA. Ação afirmativa. In: Ministério da Justiça: Realização e perspectivas. Programa Nacional de Direitos Humanos. Brasília: Ministério da Justiça, anexo IV, 1997. (Mimeo).
 
HASENBALG, Carlos A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
 
KAPLAN, H. e SADOCK, B. Compêndio de psiquiatria: ciências comportamentais, psiquiatria clínica. 6. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
 
KOLTAI, Caterina (org.). O estrangeiro. São Paulo: Escuta, 1998.
 
LA BOÉTIE, Étienne de la. Discurso da servidão voluntária. São Paulo: Brasiliense, 1999.
 
LACAN, Jacques. “Ata de fundação da Escola Freudiana de Paris: 21 de junho de 1964”. Letra Freudiana, n°. 0, 1987: 27-42.
 
LAFORGUE, René. Psychopatologie de l’échec. Paris, Payot: 1939.
 
LAPLANCHE, J. e PONTALIS, J. B. Vocabulário da psicanálise. 7.ed. São Paulo: Martins fontes, 1983.
 
LAURENT, Eric. “O analista cidadão”. Curinga, nº 13, set. 1999.
 
LERNER, JÚLIO (ed.). O Preconceito. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1997.
 
LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1988.
 
MACEDO, Aroldo. Raça Brasil, ano 1, n° 1, set. 1996.
 
MILLER, Jacques-Alain. “A teoria do parceiro”. In: MONTEIRO, E. e RIBEIRO, V. (orgs.). Os circuitos do desejo na vida e na análise. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000: 185-207.
 
MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.
 
NASIO, Juan-David. A histeria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.
 
NOGUEIRA, Izildinha Baptista. Significações do corpo negro. São Paulo: USP, 1998. Tese de Doutorado.
 
ORTIGUES, Marie-Cécilie e Edmond. Édipo africano. São Paulo: Escuta, 1984.
 
PUJÓ, Mário. “La comunicacion del caso”. In: Psicoanálisis y el hospital. Buenos Aires, n° 5, invierno 1994: 13-21.
 
REIS FILHO, José Tiago. “Uma simples questão de diferença”. Reverso, n° 46, set. 1999: 47-54.
 
ROSEMBERG, Benno. Masoquismo mortífero e masoquismo guardião da vida. São Paulo: Escuta, 2003.
 
ROUDINESCO, Elizabeth. História da Psicanálise na França: a batalha dos cem anos. Volume 1: 1885-1939. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1989.
 
SANTIAGO, Jésus. “Aspectos da histeria na civilização da ciência”. Curinga, n° 3, jun. 1994: 29-31.
 
SANTOS, Hélio. A busca de um caminho para o Brasil: a trilha do círculo vicioso. São Paulo: Senac, 2001.
 
SANTOS, Joel Rufino dos. Jornal do Brasil, 08/05/1988.
 
SOUZA, Edson Luiz André de. “A vida entre parênteses”. Correio da APPOA, n° 80, jun. 2000: 13-23.
 
SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes de identidade do negro brasileiro em ascensão social. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1991.
 
TODOROV, Tzvetvan. Em face do extremo. São Paulo: Papirus, 1995.
 
VIGANÓ, Carlo. “A construção do caso clínico em saúde mental”. Curinga, n° 13, set. 1999: 50-59.
 
ZYGOURIS, Radmila. Ah! As Belas Lições! São Paulo: Escuta, 1995.